quinta-feira, 7 de julho de 2011

O Gorila Invisível.

O livro foi escrito pela dupla Christopher Chabris e Daniel Simons e foi lançada pela Editora Rocco.

Você confia nas suas lembranças? Tem certeza de que tudo guardado na memória está correto? Alguma vez já se pegou surpreso ao ouvir alguém relatando de forma diferente um fato presenciado por você? Questionamentos como esses fazem parte do cotidiano dos pesquisadores norte-americanos Christopher Chabris e Daniel Simons. Em O gorila invisível – e outros equívocos da intuição, a dupla esmiúça seis ilusões do dia a dia que influenciam profundamente a vida das pessoas: ilusões de atenção, memória, confiança, saber, causa e potencial. Para Chabris e Simons, as crenças distorcidas que temos sobre a mente não são apenas equívocos, mas erros perigosos.

O Gorila Invisível, Lançado em 2011.
Sinopse: A cada uma das ilusões os autores dedicam um capítulo. Apesar de tratarem sobre assuntos científicos e basearem suas pesquisas em experimentos acadêmicos, Chabris e Simons oferecem aos leitores um texto fácil, entremeado por relatos de histórias que inspiraram seus estudos e de exemplos que aproximam as pessoas de suas pesquisas – por exemplo, ao fazer o leitor lembrar-se de onde estava no 11 de setembro. Assim, o livro é mais um exemplo bem-sucedido de obra científica acessível ao grande público que vem ganhando espaço no mercado editorial. A experiência mais famosa da dupla, um experimento com alunos do curso de psicologia na Universidade de Harvard, é relatada logo no primeiro capítulo. Relacionado à ilusão de atenção, o experimento do gorila invisível ganhou destaque nas revistas Newsweek e The New Yorker, além de ser incluído em livros didáticos e em cursos de introdução à psicologia mundo afora. O vídeo do experimento pode ser visto no site dos pesquisadores: www.theinvisiblegorilla.com. Àqueles interessados em testar suas habilidades de atenção, recomenda-se que assistam ao experimento antes de iniciar a leitura do livro. Alguns poderão ter uma surpresa interessante – e reveladora. Chabris e Simons apontam que mesmo sabendo o quanto nossas convicções e intuições são equivocadas, continuamos obstinadamente resistentes a mudanças. Os autores chamam a essas ilusões de ilusões do dia a dia porque afetam nosso comportamento cotidianamente. Exemplos dessas ilusões podem ser observados cada vez que falamos ao celular enquanto dirigimos, que julgamos mentiroso alguém que se lembra equivocadamente do passado, que elegemos o líder da equipe porque essa pessoa expressa mais confiança e cada vez que iniciamos um projeto pensando saber com certeza o prazo para conclusão. Quanto mais estudam sobre esses assuntos, mais os pesquisadores percebem o quanto eles afetam a vida das pessoas.

Comentem.

Um comentário:

  1. Olá. Li o livro e recomendo. Postei uma resenha em meu blog gnoronha.blogspot.com, resumindo minhas ideias a respeito.

    Abraços.

    ResponderExcluir